Café com Ufos
 
Livros - Lançamentos e Dicas de Leitura
 
Entrevistas com Autores
 
Fotos de OVNIs
 
Casos Ufológicos
 
Galeria de Fotos
 
Vídeos Ufológicos
 
 
Clima
 
Molécula orgânica em Encélado reabre debate sobre vida na lua de Saturno
* Clique na imagem, para ampliá-la.

Encélado dentro do anel-E em órbita de Saturno.
Crédito: NASA

 

Cientistas revelaram a primeira detecção de uma molécula oriunda de Encélado com um telescópio terrestre, com implicações para a busca da vida.

A lua de Saturno, Encélado, cativa o interesse dos cientistas desde que foram descobertas plumas, ricas em água, expelidas a partir do seu polo sul. A descoberta foi feita pela sonda Cassini, que desde então atravessou as plumas e "provou" compostos orgânicos.

Os resultados mais recentes, no entanto, foram obtidos com o radiotelescópio IRAM de 30 metros na Serra Nevada, Espanha, e revelam uma quantidade maior do que o esperado da molécula metanol em torno de Encélado.

O trabalho foi apresentado no passado dia 4 de julho pela Dra. Emily Drabek-Maunder, da Universidade de Cardiff, no Encontro Nacional de Astronomia do Reino Unido.

Pensa-se que as plumas de Encélado tenham origem no escape de água oriunda de um oceano subsuperficial, através de fissuras na superfície gelada da lua. Eventualmente, estas plumas alimentam o segundo anel mais externo de Saturno, o anel-E. Investigações recentes encontraram quantidades similares de metanol nos oceanos da Terra e nas plumas de Encélado.

No entanto, o novo achado sugere que o material lançado por Encélado atravessa uma complexa viagem química assim que é expulso para o espaço.

A Dra. Drabek-Maunder afirma: "Descobertas recentes, de que as luas geladas no nosso Sistema Solar exterior podem albergar oceanos de água líquida e ingredientes para a vida, despoletaram possibilidades excitantes da sua habitabilidade.
Mas, neste caso, as nossas descobertas sugerem que o metanol está a ser produzido por reações químicas adicionais assim que a pluma é ejetada para o espaço, tornando improvável que seja uma indicação de vida em Encélado."

Conclusões cautelosas
A equipe sugere que a quantidade inesperadamente grande de metanol pode ter duas origens possíveis: ou uma nuvem de gás expelida por Encélado que ficou presa no campo magnético de Saturno, ou gás que se espalhou mais para o anel-E do planeta. Em ambos os casos, o metanol foi amplamente aumentado em comparação com as detecções nas plumas.

O Dr. Dave Clements, membro da equipe, do Departamento de Física do Imperial College em Londres, ressalta: "as observações nem sempre são diretas. Para interpretar os nossos dados, precisamos da riqueza de informações que a Cassini nos forneceu acerca do ambiente de Encélado. Este estudo sugere que precisamos ter um certo grau de precaução no que toca a informar sobre a presença de moléculas que podem ser interpretadas como evidências de vida."

A Cassini terminará a sua viagem daqui a poucos meses, deixando as observações remotas - tanto no solo como com telescópios espaciais - como a única possibilidade de explorar Saturno e as suas luas - pelo menos por enquanto.

A Dra. Drabek-Maunder conclui: "Este achado mostra que as deteções de moléculas em Encélado são possíveis usando instalações terrestres. No entanto, para compreender a química complexa destes oceanos subterrâneos, vamos precisamos de mais observações diretas por futuras sondas que voem através das plumas de Encélado."

 
 
+ Notícias
 
 
grafitecom@gmail.com | (51) 3249.3700 – 99924.5300