Café com Ufos
 
Livros - Lançamentos e Dicas de Leitura
 
Entrevistas com Autores
 
Fotos de OVNIs
 
Casos Ufológicos
 
Galeria de Fotos
 
Vídeos Ufológicos
 
 
Clima
 
Há12.000 anos, uma nave dropa se acidentou na Terra
* Clique na imagem, para ampliá-la.
 

Eles vieram de um lugar distante da nossa galáxia. Sua nave espacial caiu na Terra. Eles foram perseguidos e mortos por humanos. Encurralados em um planeta alienígena, eles tentaram desesperadamente voltar para casa.

Eles sabiam que sua existência estava condenada e, portanto, escreveram sua história para que outros pudessem ler. Eles queriam nos dizer quem eram e o que os trouxe aqui. Eles deixaram uma mensagem para as gerações futuras, mas os artefatos alienígenas que deixaram para trás foram escondidos do público.

A descoberta ocorreu em 1938 na fronteira entre a China com o Tibete. Uma expedição arqueológica, guiada pelo professor chinês Chi Pu Tei, descobriu fileiras de túmulos nas cavernas da montanha de Baian Kara Ula.

Os esqueletos eram restos de uma raça diferente dos seres humanos. Os esqueletos eram muito frágeis e mediam pouco mais de 1,30 metro. Seus crânios eram grandes e mais desenvolvidos, mas esses não eram restos de macacos. Além disso, os cientistas também descobriram desenhos interessantes de rochas nas paredes da caverna.

Os desenhos retratavam seres com capacetes redondos acompanhados pelo desenho do Sol, da Lua, da Terra e das estrelas, conectados por grupos de pontos do tamanho de ervilha. Havia ainda muito mais para ser encontrado na caverna pré-histórica.

Os arqueólogos encontraram um grande disco de pedra redonda, metade enterrado no chão empoeirado, que parecia um disco de gramofone da Idade da Pedra. Havia um buraco em seu centro e um sulco fino, vindo em espiral do centro para a borda. Sua idade foi determinada entre 10.000 e 12.000 anos!

No total, foram encontrados 716 discos de pedra. Cada disco tinha 22,7 cm de diâmetro e 2 cm de espessura. Eles também tinham um orifício perfeitamente circular de 2 cm no centro. Uma análise mais aprofundada revelou uma marca semelhante à uma ranhura, que era uma linha contínua de hieróglifos estranhos esculpidos.

O objeto era um "registro" de escrita alienígena composta de caracteres microscópicos, escritos em um idioma que nunca antes havia sido encontrado. Durante mais de 20 anos muitos especialistas tentaram traduzir a escrita alienígena, mas sem sucesso.

Em 1962, o Dr.Tsum Um Nui, cientista chinês, conseguiu finalmente decodificar a mensagem dos artefatos misteriosos. O resultado foi tão bizarro que o Departamento de Pré-História da Academia de Pequim, China se recusou a publicar as descobertas de Tsum Um Nui, ou até mesmo falar sobre elas. Mas o Dr.Tsum Um Nui continuou sua pesquisa e finalmente foi autorizado a publicar seu trabalho.

O artigo apareceu sob o título "A Escrita na Ranhura a Respeito de Naves Espaciais Que, Como Registrado nos Discos, Pousaram na Terra Há 12.000 Anos."

A mensagem chocante das pedras Dropa foi escrita por seres que se chamavam Dropas. Os discos de pedra contaram a história do povo Dropa, viajantes espaciais de um planeta distante. Sua nave espacial caiu na região inacessível das montanhas Baian-Kara-Ula. Os ocupantes da nave espacial, os Dropas, encontraram refúgio nas cavernas das montanhas.

Sem a possibilidade de repararem sua nave espacial destruída ou construir uma nova, os Dropas não puderam retornar ao seu planeta natal. Eles estavam presos na Terra.

Apesar de suas intenções pacíficas, os Dropas foram incompreendidos por membros da tribo Ham que ocupavam cavernas vizinhas e que caçavam os alienígenas, e até mataram alguns deles.

A tradução de uma das passagens diz:
O Dropas desceram das nuvens em sua aeronave. Nossos homens, mulheres e crianças se esconderam nas cavernas dez vezes antes do nascer do Sol. Quando finalmente entenderam a linguagem gestual dos Dropas, perceberam que os recém-chegados tinham intenções pacíficas ...

Em 1968, o filólogo russo, o Dr. Viatcheslav Zaitsev, publicou os extratos da história da placa de pedra na revista Sputnik. Zaitsev realizou mais pesquisas e apresentou resultados realmente interessantes.

Fisicamente, as pedras de granito continham altas concentrações de cobalto e outros metais; de fato uma pedra muito dura. Isso teria dificultado que as pessoas primitivas esculpissem as letras, especialmente com caracteres tão minúsculos.

Esta descoberta pode ser a primeira prova concreta sobre a existência do povo Dropa, cujos ancestrais realmente vieram do espaço em um passado distante.

Ao testar um disco com um oscilógrafo, um ritmo de oscilação surpreendente foi registrado como se, disseram os cientistas, ele já havia sido carregado eletricamente ou tinha funcionado como condutor elétrico.

Alguém dos Dropas sobreviveu?
No momento da descoberta, a área da caverna ainda era habitada por duas tribos conhecidas como Khams e Dropas, ambas extremamente estranhas. Os antropólogos não conseguiram categorizar qualquer tribo em nenhuma outra raça conhecida, pois não são chineses, mongóis nem tibetanos. Eles têm a pele amarelada, corpos finos e cabeças geralmente grandes, em relação aos restos esqueletais encontrados nas cavernas de Baian Kara Ula em 1938. Eles têm cabelo escasso em seus corpos, olhos grandes e sua altura média é de 1,20 metros.
Um antigo conto chinês conta a história de pessoas pequenas e de pele amarela que pousaram na Terra a partir das nuvens e que foram caçados por todos por causa da feiúra.

Em 1995, houve uma notável notícia da China:
"... Na província de Sichuan, que fica na fronteira oriental das montanhas Baian-Kara-Ula, foram descobertas 120 pessoas de uma tribo anteriormente não classificada. O aspecto mais importante desta nova tribo é o tamanho das pessoas: Não são mais alto do que 95 cm, o menor adulto medindo apenas 64 cm ...! "

O que mais tarde aconteceu com as pedras misteriosas?
Em 1974, o engenheiro austríaco Ernst Wegerer encontrou dois desses discos no Museu Banpo em Xian. Ele fotografou-os, tirando quatro fotos. Após, os visitantes do não conseguiram ver os discos de pedra.

De acordo com a explicação dada pelo museu, os artefatos de Baian Kara Ula foram destruídos. Além disso, o governo chinês não está em posse de nenhum registro oficial de uma tribo chamada Dropa, nem na área de Qinghai ou em outros lugares da China. Onde estariam hoje os discos desaparecidos?

 
 
+ Notícias
 
 
grafitecom@gmail.com | (51) 3249.3700 – 99924.5300